Medicina reprodutiva aponta caminhos para lidar com a infertilidade

20 de novembro de 2017 | - Pra Viver Bem - Saúde em Pauta

Medicina reprodutiva aponta caminhos para lidar com a infertilidade

Motivos que dificultam a gravidez podem estar presentes tanto nos nas mulheres quanto nos homens
 
A infertilidade atinge 15% casais no Brasil, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Os motivos que dificultam ou impedem uma gravidez podem estar presentes tanto nos homens, em função de problemas desenvolvidos, por exemplo, com a varicocele (varizes no testículo) ou azoospermia (ausência de espermatozoides na ejaculação), quanto nas mulheres por síndrome dos ovários policísticos ou endometriose. De acordo com o médico Selmo Geber, especialista da Clínica Origen, atualmente, estima-se que 40% dos fatores de infertilidade sejam masculinos, 40% femininos, 10% de ambos os indivíduos e 10% de causas desconhecidas. A medicina reprodutiva já aponta alguns caminhos para lidar com o problema. Atualmente, as principais técnicas de reprodução assistida utilizadas são: relação sexual programada (coito programado), inseminação intrauterina artificial, fertilização in vitro, injeção intracitoplasmática de espermatozoides e doação de óvulos.
 
O primeiro indicativo de problemas de infertilidade é o período de tentativas. “Quando o casal mantém relações sem a utilização de métodos contraceptivos há pelo menos um ano, é provável que um dos parceiros apresente problemas de fertilidade. Nesses casos, é importante procurar um médico especialista para a realização de uma avaliação tanto da fertilidade feminina quanto da masculina. Depois, podem ser buscados caminhos para a gravidez”, explica.
 

É comum que em um primeiro momento o pensamento seja de que há algo errado com a saúde da mulher. No entanto, a infertilidade masculina é mais comum do que muitas pessoas imaginam. Ela pode ser diagnosticada a partir de exames simples, como espermograma, autoexame e exames de sangue.  Os testes visam identificar anomalias relacionadas aos testículos, espermatozoides e hormônios, elementos relacionados diretamente à infertilidade.
 
A partir dos 35 anos é natural que haja uma progressiva redução da fertilidade feminina, o que reduz as chances de gravidez. Outra causa comum é a irregularidade do ciclo menstrual ou a inexistência da ovulação. “Para que a infertilidade feminina seja detectada é necessário fazer diversos exames, verificando toda a saúde da mulher, dentre eles: ultrasonografia, histerosalpingografia, dosagens hormonais, esclarece Selmo. 
Em casos de casais que não conseguiram obter sucesso na gravidez, a realização da tratamento por técnicas de reprodução assistida se torna uma opção. As técnicas de reprodução assistida são um conjunto de técnicas utilizadas pela medicina para auxiliar os pacientes a terem filhos. Ela funciona pela manipulação de, pelo menos, um dos gametas (espermatozoides e/ou óvulos) e dos meios de fecundação, preparando as condições ideais para que o processo ocorra da maneira planejada.
 

Deixe seu comentário