Casar pode aumentar as chances de sobreviver a um infarto, diz pesquisa

31 de outubro de 2017 | - Pra Viver Bem - Saúde em Pauta

Casar pode aumentar as chances de sobreviver a um infarto, diz pesquisa

Casar pode aumentar as chances de sobreviver a um infarto, de acordo com pesquisa

De acordo com uma pesquisa realizada recentemente no Reino Unido, a vida a dois favorece 14% a mais de sobrevivência a um infarto agudo do miocárdio e a mesma porcentagem é propiciada com pessoas casadas que apresentam diabetes.

Quando se está unido matrimonialmente com um parceiro, ou uma parceira, que atribui significados à vida do outro e a cada dia que passa torna-se impossível viver sem a pessoa amada, pois a presença dela proporciona momentos de muita felicidade e satisfação, saiba que este prazeroso casamento tem relação direta com a saúde do casal, e vivenciar uma relação saudável, regada a muito amor, respeito e dedicação, favorece a um aumento das chances de sobreviver a muitas doenças que podem ser fatais, como um infarto.

De acordo com uma pesquisa realizada recentemente no Reino Unido com 925 mil pessoas, revelou-se que as pessoas casadas possuem mais chances de sobreviver a doenças cardiovasculares, ataques cardíacos e fatores de risco. Concluiu-se que a vida a dois favorece 14% a mais de sobrevivência a um infarto agudo do miocárdio e a mesma porcentagem é propiciada com pessoas casadas que apresentam diabetes.

Um casal que tem problemas derivados da pressão arterial elevada tem 10% a mais de chances de se recuperarem. E, de todos os entrevistados, os que tem uma vida conjugal apresentaram uma probabilidade de 16% a mais de sobreviverem às decorrências do colesterol alto. Essa pesquisa coletou dados em um período de 13 anos, desde os anos 2000 até 2013, e são informações de prontuários de pacientes que passaram por diversos hospitais da Inglaterra.

O principal objetivo dessa pesquisa, liderada pelo médico Paul Carter, é o de relacionar estado civil com índices de sobrevivência a doenças consideradas, em grande parte, fatais, ou seja, como o casamento interferia na saúde física e psicológica das pessoas a ponto de aumentar a probabilidade de sobreviver a graves doenças do coração, por exemplo. Esses resultados foram exibidos pelo Dr. Paul Carter, em Barcelona, na Espanha, em um congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia (ECS).

A justificativa para esses resultados favoráveis à saúde é de que uma pessoa casada proporciona ao seu companheiro diversos suportes, seja físico, psicológico ou emocional, e oferecem, além disso, ajuda moral para que seu cônjuge se sinta encorajado a viver uma vida de forma mais saudável, se precisar passar por uma mudança que exige essa iniciativa. Ao oferecer suporte, carinho e amor, seu companheiro descobre que a pessoa amada é um porto seguro para ela, e dessa forma, sente que não está sozinho, e não se desmotiva a realizar tratamentos para curar sua doença.

Muitas pessoas imaginam que uma doença possa ser um momento de fragilidade de um casamento, mas estudos como este comprovam que em um momento de adversidade pode, sim, existir amor, paciência e zelo e, havendo isso, é aumentada probabilidade de sobreviver a terríveis doenças.

Os momentos que antecedem ao casamento podem ser angustiantes para noivas que desejam uma cerimônia impecável e com todos os detalhes da festa perfeitos. O casamento é a concretização de um sonho para muitas pessoas, e para auxiliar num momento tão importante da vida delas, há portais como o Planeta das Noivas que dão diversas dicas para o grande dia e oferecem uma enorme variedade de acessórios para noivas, madrinhas e daminhas.

Deixe seu comentário